quarta-feira, 20 de abril de 2011

Tecnologia de Papel - miniaturas universais e customizáveis para RPG

Cansado de gastar toda a sua grana do estágio/iniciação científica em miniaturas D&D e depois comer pão com ovo até o fim do mês? Não agüenta mais usar o mesmo ciclope do RPGQuest como gigante, ogro, titã, troll atroz e até dragão? Exausto de explicar pros jogadores que o d30 não pode ser usado para jogadas de ataque, estando ali apenas para representar um ogro mago, observador ou chefe sahuagin? Seus problemas acabaram!

O ciclope o grifo e a medusa são do RPGQuest. O Beholder é do Livro dos Monstros, e o Golem eu desenhei.

Chegaram agora, agorinha mesmo, nesta postagem, as miniaturas customizáveis universais genéricas tabajara!

OK, chega disso...

A edição 3.5 do D&D (da qual eu gostei muito por sinal) trouxe as miniaturas e o tabuleiro quadriculado como elementos obrigatórios aos combates. Muita gente não gostou, mas quando eu tentei usar miniaturas no meu grupo, todos ficaram malucos!

Todos os jogadores (exceto um, ok) adoraram a idéia. Era um grupo bem porradeiro, metade das sessões de jogo era praticamente só porrada. E não saber onde cada um estava era um problema constante. É claro que os combates passaram a demorar mais com o uso de miniaturas, mas pela primeira vez pudemos usar as regras de ataque de oportunidade, por exemplo.

Mas eu preciso dizer que eu nunca comprei miniaturas de plástico ou metal, e nessa época ainda não tinha comprado meu RPGQuest Vol. 2. Então eu fui no PowerPoint e fiz umas miniaturas usando quadriláteros e linhas pontilhadas, é isso que está para download mais embaixo aqui no post. As miniaturas seguem o mesmo formato daquelas do RPGQuest e do StreetFighter RPG.


E os desenhos?

Não precisa ser nenhum gênio pra pensar em procurar imagens na internet e colar nas miniaturas... mas essa não é a única opção! Quando comecei com as miniaturas de papel, eu imprimia miniaturas com desenhos de silhuetas humanas (que eu roubei da ficha de GURPS). Os jogadores "customizavam" suas minis desenhando trajes e armas, e eu fazia o mesmo com os inimigos. Para os não humanóides eu imprimia a miniatura em branco (ou desenhava com a régua mesmo) e desenhava o monstro. Para que gosta de desenhar, uma ideia é fazer desenhos em tamanho A4 ou A5, escanear e usar na miniatura. A vantagem desse método é que você pode gerar miniaturas de monstros que você inventou, com as peculiaridades que você quiser.

O papel e a sustentação

Como não poderia deixar de ser, minhas primeiras miniaturas foram impressas em sulfitão vagabundo de gramatura 75g/m2. Nem preciso dizer que além de não pararem em pé, as malditas miniaturas voavam com qualquer respiração mais forte. A solução imediata, proposta pelos meus jogadores, foi usar um clipe de papel (que por sinal, é de metal) encaixado por baixo da miniatura. Com esse "lastro" a miniatura não caia nem voava. Mais do que isso, ás vezes levantava sozinha depois do personagem morrer!

Druida élfico de gênero incerto e escorpião gigante. O druida foi feito com sulfite comum.


Detalhe no clipe de sustentação do druida.

Mais tarde ainda eu achei na minha gaveta um bloco de papel cartonado de gramatura 180g/m2, reminiscente de antigas aulas de pintura em nanquim. Foi nessa época que eu comecei a desenhar os personagens para as miniaturas, afinal agora eu tinha material bom pra trabalhar! O golem da primeira foto foi feito dessa forma, eu fiz um desenho usando metade de uma folha A4 e imprimi numa miniatura de papel grosso. Impressoras jato de tinta comuns felizmente imprimem nesse papel grosso sem problemas, e com essa "densidade" de papel as miniaturas não voam nem caem sozinhas. Usando desenhos relativamente bons essas miniaturas em papel cartão ficam com aparência muito boa!

Trabalhando sem a impressora

Uma dica meio óbvia é que para monstros grandes e de desenho simples, a régua e a caneta são ótimas opções! Um monstro enorme já consome muito papel, mas precisa de poucas linhas, e desenhar uma lesma, elemental ou centopéia gigante não é difícil.

Centopéia gigante feita com caneta, régua e um pedaço de papel reciclado. Nesse caso dois clipes de sustentação são necessários, um de cada lado.

The Grid!

Sobre o tabuleiro agora. Por um bom tempo eu usei um tabuleiro formado por uma duas folhas A4 quadriculadas coladas em cima de uma cartolina. Mais tarde eu faria uma versão maior, e por fim usaria o grid do Livro do Mestre 3.5. Hoje em dia você pode comprar um RPGQuest ou o grid do Old Dragon, este último tendo a vantagem de você poder rabiscá-lo e apagar depois. Eu já pensei em usar tabuleiro de xadrez, mas nunca tive coragem...

Downloads

Temos aqui para download um arquivo ppt com miniaturas de tamanho médio e grande, uma folha com várias minis encaixadas e um grid quadriculado.

Para adicionar as imagens de sua preferência vá no menu Inserir -> Imagem, ou use o bom e velho CTRL+C CTRL+V. O PowerPoint e outros programas de apresentação tem várias opções de manipulação de imagem que você pode utilizar.

Considerações finais

É isso, agora você pode fazer suas próprias miniaturas, com baixo custo e total liberdade! Vá lá, jogue, se divirta, e finalmente use a regra para ataques de oportunidade!

10 comentários:

  1. Gostei do post. Eu tenho uma ruma de miniaturas oficiais do D&D 4, mas sempre tem um monstro que vc quer usar mas falta a miniatura. Então eu uso papéis cartonados para imprimir tokens com imagens dos monstros. São fáceis de fazer, fácil manipulação e ficam até bonitos. Veja aí no meu blog: http://montantemagica.blogspot.com/2011/03/lhinganuyr-e-o-combate-no-templo.html

    Mas ultimamente estou abandonando as miniaturas, pois é difícil simular no tabuleiro o que eu descrevo para os combates. Sem minis o jogo fica mais rápido, mais fluido e imersivo e tenho bem menos trabalho! E ainda economizo papel bom e tinta da impressora. Nesse outro link trago dicas de como usar regras de ataques de oportunidade sem miniaturas ou matriz(grid) de combate: http://montantemagica.blogspot.com/2010/09/jogando-d-4-sem-miniaturas-parte-2.html

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nestor, eu não gosto de usar marcadores planos, prefiro que as miniaturas tenham uma certa altura, mas compreendo que eles são boas soluções.

      Sobre abandonar as miniaturas, eu na verdade não uso em todas as aventuras. Mesmo depois de mostrar a novidade pro meu grupo, em algumas sessões onde o combate era menos importante resolvemos tudo só na descrição mesmo.

      Gostei muito de suas dicas para ataques de oportunidade sem a matriz... com um grupo bom e pequeno deve funcionar perfeitamente. O problema era que meu grupo era grande e cheio de sacanas!

      Mas valeu pela dica!

      Excluir
  2. EEEIIII!!
    eu uso um tabuleiro de xadrez!! :P
    Mas sem personagens especificos, os PJ sao umas pessas de um outro jogo e os monstors as peças do xadrez e damas XD
    Q bom q vc disponibilizou, fica mais legal com coisas "de verdade" ;) (y)

    ResponderExcluir
  3. Porra mano...

    Sempre tive os RPGQUESTS e nunca tinha arrumada uma maneira para auxiliar na sustentação!!

    CLIPS, CLIPS, MALDITOS CLIPS.... como nunca pensei nisso antes!!!

    Valew

    ResponderExcluir
  4. Eu uso um quadro branco quadriculado como grid. Ficou ótimo, posso rascunhar rapidamente o cenário com uma caneta de quadro branco e usar o cantinho do quadro para anotar a iniciativa. Fica a dica!

    ResponderExcluir
  5. deu problema nos links,, não abriram

    ResponderExcluir
  6. Link arrumado galera! Miniaturas de volta ao blog!

    ResponderExcluir