terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Drow, os vilões que todos amamos odiar para Tormenta RPG

Drow, os elfos negros, são uma das raças mais populares do Dungeons & Dragons e, por consequência, dos RPGs medievais em geral. Arton não possui drow nativos, o mais próximo dos drow que existe em Arton é uma seita de elfos adoradores de Tenebra conhecidos como elfos negros. Ou seja, os elfos negros de Arton são uma organização e não propriamente uma raça. Os drow, por outro lado, são uma raça orgulhosa e maligna que habita o território subterrâneo conhecido como Underdark. Nessa postagem, vamos pensar um pouco sobre como incluir esses amáveis vilões em nosso cenário favorito.

Drows roubados do DeviantArt do artista Francis Tsai
Elfos, Drow

Os drow são um ramo cruel e sádico da antiga raça dos elfos. Lendas dizem que, por sua crueldade sem limites, eles foram amaldiçoados por sua própria deusa criadora e foram abraçados pela deusa-aranha Lolth.

Personalidade: drow são orgulhosos, sádicos e cruéis. Eles valorizam a esperteza e a intriga e se divertem com tortura e assassinato. Mesmo entre os drow, existe a constante desconfiança de traição, de forma que drow são normalmente desconfiados e um tanto paranoicos.

Drow tem a mania de sempre esconder o máximo de informação possível, mas por outro lado acham deselegante mentir, a solução usual é usar frases ambíguas abertas a múltiplas interpretações. Isso faz com que conversar com um drow seja muito difícil e torna a conversa entre dois drow quase incompreensível para ouvidos não treinados. Além disso, drow acreditam piamente que todo mundo sempre está fazendo o mesmo, eles sempre vão encontrar intenções ocultas mesmo nas afirmações mais simples.

Aparência: drow são belos e esguios, como os demais elfos, com orelhas pontudas, olhos amendoados e rostos alongados. A característica única dos drow é a pele negra como o ébano e os cabelos normalmente brancos e brilhantes, os olhos são geralmente claros (azuis, verdes, púrpura ou dourados), mas se tornam vermelhos quando eles usam sua termovisão.

Relações: ruins. Drow tentam escravizar todos os humanoides com os quais entram em contato, e quando não conseguem tentam destruí-los. Em suas cidades, centenas de goblinóides, kobolds, orcs e trolls desempenham todo tipo de trabalho visto como indigno pelos orgulhosos drow. Escravos humanos, élficos ou anões são raros, mas existem. Alianças são sempre truques temporários para ganhar tempo antes da escravização ou destruição. Drow tem uma relação especial de aliança e ódio com os Devoradores de Mente (também conhecidos como Sugadores de Cérebros), possivelmente pela semelhança de conduta das duas raças. Algumas comunidades drows possuem alianças ancestrais com cidades dos Devoradores, mas outras estão em constante guerra.

Tendência: drow são quase sempre malignos, a crueldade e o sadismo são suas características mais marcantes. Apesar da sociedade drow ser muito organizada, os indivíduos são volúveis e temperamentais, sendo normalmente caóticos. A solução desse paradoxo ainda não foi encontrada pelos sábios do universo.

Terras dos drows: drow habitam cidades subterrâneas onde os únicos não-drow tolerados, além dos escravos, são arcanos poderosos e alguns comerciantes. A sociedade drow é uma teocracia matriarcal (ou uma matriarquia teocrática): as cidades são governadas por um conselho de matriarcas que também são sacerdotisas de Lolth. Todas as outras posições de relevância política também são ocupadas por clérigas da deusa-aranha. Drow machos são vistos como inferiores, e embora possam assumir cargos de comando militar, estão sempre sob o as ordens de uma matriarca/sacerdotisa.

Religião: drow são fanaticamente devotos da deusa-aranha Lolth. A maioria dos estudiosos aceita que Lolth é uma deusa menor, mas outros argumentam que ela é uma faceta de Tenebra ou Tauron. Os drow obviamente argumentam que Lolth é uma deusa maior, quando não argumentam que ela é a única deusa maior do mundo. Outros cultos são proibidos na sociedade drow e punidos com a morte, mas não é incomum que drow machos se revoltem busquem secretamente outras divindades como Hyninn e Sszzaas (ou o deus-drow da enganação e ladinagem Vhaeraun).

Nomes: nomes masculinos normalmente possuem sons mudos e silvados como Drizzt, Gwylyss, Caekoth e Hadrogh, nomes femininos normalmente são mais musicais como Liriel, Triel, Drisinil e Chardalyn.

Aventuras: aventureiras drow normalmente são clérigas ou feiticeiras/clérigas a serviço de Lolth. Nas cidades drow, machos frequentemente se tornam magos, mas que são mantidos sob o controle rígido das sacerdotisas. Entre drow aventureiros, feiticeiros, rangers, guerreiros e ladinos também são muito comuns.

Liriel Baenre. Protagonista do
livro Daughter of the Drow.
Traços raciais

Habilidades: +4 Des, -2 Con, +2 em Carisma ou Sabedoria. Drow são ágeis, cativantes e perspicazes, mas um tanto frágeis.

Magias inatas: drow podem conjurar fogo das fadas e escuridão uma vez por dia.

Fraqueza sob a luz do sol: se expostos a luz do sol ou iluminação intensa, drow ficam ofuscados. Enquanto estiverem sob efeito da luz forte, eles não podem usar a termovisão.

Visão na penumbra e termovisão: drow enxergam perfeitamente na penumbra. Além disso, sob pouca luminosidade, drow podem escolher enxergar em infravermelho. Com isso, eles podem ver objetos normalmente e distinguir temperaturas, mas não são capazes de distinguir cores (eles veem as diferentes temperaturas como cores, tipo o Predador, mas com uma resolução melhor).

[Aviso aos mestres: a termovisão dos drow permite detectar criaturas de sangue quente, mas não os torna oniscientes! Testes de percepção para detectar inimigos, ameaças ou qualquer outra coisa usando a termovisão são altamente recomendados!]

Resistência: drows recebem +4 em testes de Vontade contra encantamentos e são imunes a efeitos de sono.

Perícias: drows recebem +4 em testes de Percepção e Identificar Magia.

Armas raciais: todos os drow são proficientes com o florete e todos os tipos de arcos.

Nova divindade menor: Lolth (a.k.a. Lloth)
Lolth é uma deusa menor cruel e maligna, sua igreja prega que os drow devem dominar o mundo subterrâneo e eventualmente estender seu domínio para a superfície e destruir os demais elfos. Lolth incentiva a intriga e a esperteza, um drow que não perceba uma trama para assassina-lo merece morrer.
Tendência: Caótica e maligna
Poderes concedidos: domínios da destruição, mal e guerra.
Adoradores típicos: só drows e olhe lá.
Símbolo sagrado: uma aranha prateada sobre fundo negro.
Arma preferida: adaga.

Como incluir drows em Arton?

Isso é um problema antigo que sempre reaparece quando elementos novos e bizarros são incluídos em cenários estabelecidos. Eu me lembro que na época do D&D 3.0 (início dos anos 2000) rolavam discussões intermináveis sobre como abordar o fato de que nunca existiram elfos monges e orcs paladinos, mas agora existiriam. No caso de uma nova raça, a coisa fica mais complicada e os dragonborn do D&D 4e (aquele sucesso!) causaram um fuzuê maior ainda (uma discussão da qual eu me abstive). Pois bem, milênios de discussão se resumem em duas opções principais: 1) estabelecer que o novo elemento sempre esteve lá e reescrever pedaços chave do cenário pra acomodar a mudança ou 2) estabelecer a chegada do novo elemento como um evento histórico (potencialmente cataclísmico) que vai ter consequências duradouras para o cenário. Vamos discutir a primeira opção com calma e praticamente ignorar a segunda.

Eles sempre estiveram lá – Underdark em Arton

Os drow estão intimamente ligados com o Underdark, onde eles vivem. Como um povo das trevas e que mal pode sair no sol, os drow precisam assumir hábitos noturnos ou viver no subterrâneo. No cenários oficiais de D&D (como Forgotten Realms) o Undedark é um complexo monstruosamente grande de túneis e cavernas, incluído cavernas onde cidades inteiras são construídas, que percorre o subterrâneo de uma vasta área do continente principal do cenário. O Underdark é famoso por suas cidades drow, mas devoradores de mente, observadores, goblinóides, homens-lagarto e todo tipo de criatura maligna e profana pode ser encontrada aos montes por ali. É um ótimo lugar para passear com a família no final de semana....

O material oficial de Tormenta admite a possibilidade de cavernas-mundo sob o continente de Arton, de forma que adicionar o Underdark não me parece nenhum sacrilégio. A principal diferença é estabelecer que as cavernas-mundo e outras formações geológicas menores formam uma intrincada e labiríntica rede onde sempre há para onde fugir, mas outros perigos sempre estarão à espreita. A grande questã, é que se existe de fato uma rede de túneis e cavernas sob Arton, e se essa rede é habitada por elfos malignos, devoradores de mentes e homens-lagartos do capiroto, a vida dos anões deve ser um inferno!  Mais do que isso, se os drow são uma raça antiga, quando os humanos chegaram em Arton, expulsos do continente Lamnor, eles provavelmente se encontraram rapidamente com os drow! Com base nisso eu construí o texto abaixo.

Uma crônica resumida dos drow de Arton

Os elfos negros, mais conhecidos como drow, eram uma lenda em Arton-sul, contada entre os elfos para assustar crianças e murmurada por humanos com um misto de medo e descrença. Quando as primeiras caravanas humanas chegaram a Arton, ataques noturnos por bandos de drow eram comuns, e muitos foram os humanos escravizados ou mortos. A principal cidade drow era abaixo do que hoje é Valkária, e foi apenas graças à ajuda da deusa que os humanos puderam espantar os drows para locais mais profundos e distantes do Underdark. Há até quem argumente que Valkária decidiu que sua prisão seria naquele ponto exatamente para que os humanos fizessem frente aos elfos malignos, outros dizem que esse plano foi arquitetado por Khalmyr para matar dois coelhos com um aprisionamento só.

A movimentação de milhares de drow resultou em extensas batalhas contra os anões, que por um lado ficaram furiosos com os humanos por terem desbalanceado o frágil equilíbrio dos povos subterrâneos, mas por outro lado só podiam se aliar com os novos inimigos dos drow. Com isso, apesar das milhares de mortes nas guerras contra os drow, o resultado final foi uma aliança sólida entre humanos e anões. Mais recentemente, a queda de Lenórien provocou a migração forçada de milhares de elfos para Arton. Entre estes, muitos ficaram horrorizados ao descobrir que a matéria prima de seus pesadelos estava presente no continente norte enquanto outros, decepcionados e desgostosos de sua deusa e sua raça, tentaram se unir aos drow apenas para serem escravizados ou mortos. Hoje, diz-se que os drow estão organizando uma nova ofensiva contra o fragilizado Reinado. Alguns boatos dizem que eles se aliaram à aliança negra, enquanto outros dizem que Lolth é a mais nova serva do harém de Tauron. Os mais pessimistas dizem que os drow vão sugar todos os recursos de puderem de ambos os lados para reinarem supremos sobre Arton. Eu espero que os ganchos de aventura tenham ficados claros aqui!

O drow mais famoso de Dungeons and Dragons:  Drizzt Do'Urden demonstra que nem todo drow é maligno.

Eles estão chegando – Invasão Planar

A outra opção é transformar a inclusão do novo elemento em um evento histórico dentro da campanha. Os drow podem ser invasores de outro mundo medieval (o que pode resultar num crossover entre Forgotten Realms e Tormenta), do plano de Tenebra, ou simplesmente de um plano-drow. De qualquer forma, eu gostei tanto da minha versão da história de Arton incluindo os drow que não vou me estender aqui.

Quem precisa de Drows quando se tem Finntrolls?

Eu comecei a escrever esse post porque estava lendo o romance de Forgotten Realms Daughter of the Drow, que é obviamente focado nos drow. Mas, enquanto ia desenvolvendo as ideias, entrei em contato com o Manual das Raças de Tormenta, e percebi que Arton já tem uma raça de malvadões subterrâneos inimigos dos anões: os trolls nobres Finntroll!! Eu ainda assim publiquei o post porque acho que muita gente é fã dos drow, mas ao invés de postar mais coisas sobre os drow decidi voltar meus esforços para desenvolver material para os Finntroll. Aguardem e confiem.

Notícia de última hora! Extra! (Ou não)

Desde criancinha eu sempre acreditei que os drow fossem propriedade exclusiva e exclusivíssima da editora Wizards of the Coast, mas enquanto pesquisava pra esse post descobri que eles são material aberto! Isso não traz grandes consequências para TormentaRPG, mas se alguém aí for desenvolver um cenário comercial já pode usar os drow.

Notas de adaptação: eu montei essa versão dos drow combinando elementos dos elfos de Tormenta com os drow do D&D 3.5, do AD&D e até do D&D 4e. Em especial, eu quis manter a termovisão porque ela é algo muito presente nos romances de D&D focados nos drow. Eu escolhi remover a magia globos de luz porque nunca fez sentido pra mim os drows, elfos malvadões das trevas, conjurarem uma magia de luz! Preferi incluir um bônus de Sabedoria ou Carisma, para fazer algum sentido as fêmeas drow serem clérigas especialmente poderosas e ajudar os machos a serem feiticeiros. Eu até pensei em fazer os modificadores de habilidade serem +4 Sab, +2 Int, -2 Con, mas elfo sem bônus de destreza me pareceu simplesmente errado. Sobre Lolth: a informação sobre ela nos manuais de Forgotten é assustadoramente escassa! Eu fiz a síntese que eu pude depois de consultar os livros de Forgotten de AD&D e D&D 3.0 e o antigo Deities & Demigods do D&D 3.0. Eu estou me justificando aqui, mas acho que os fãs mais hardcore de Forgotten nem visitariam um blog de Tormenta...


 As imagens usadas na postagem são propriedade da editora Wizards of the Coast.

4 comentários:

  1. Esta de parabéns

    Vou incluir em minha campanha

    Existe algum e-mail para contato ?

    ResponderExcluir
  2. Muito bom. Primeira vez que fiquei tentado a colocar Drows em campanhas de Tormenta. Divulga no fórum da Jambo também, na parte dedicada para Tormenta tem um lugar dedicado para isso.

    ResponderExcluir
  3. Obrigado galera! Ainda bem que fez sucesso.

    Denilson, o e-mail é montanhadosmonstros@gmail.com, e tem os comentários do blog também.

    Ricardo, boa ideia!

    ResponderExcluir