segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Urds para Tormenta RPG

Os aventureiros estavam cercados por um enxame das malditas criaturas. Eram pequenos esquálidos, reptilianos e pequenos como halflings. Não tinham mãos, mas asas coriáceas em seu lugar. Arremessavam pedras e lanças usando os pés, que possuíam dedos opositores, enquanto alguns disparavam cusparadas ácidas. Miry, a elfa, lançava pequenos raios de fogo e descargas elétricas. Lian, a halfling, e Luke, o humano, atiravam com bestas, enquanto Éoglin, o anão, marretava esmagando crânios e quebrando asas.
Individualmente os atacantes eram ridiculamente fracos, mas estavam em grande número, e cercavam os aventureiros por todos os lados, como um anel, e por cima, atirando as pedras. A arcana não conhecia nenhuma magia que pudesse atingir a todos os adversários nessa formação, e temia exaurir suas forças místicas lançando vários feitiços.
_ Precisamos sair do meio desse anel! _ Gritou com a voz aguda. Com isso, Éoglin acordou do frenesi de batalha, e passou a focar os ataques em só um ponto, tentando abrir uma fresta. Luke pousou a besta e sacou a espada para unir-se ao anão. Choveram pedras sobre eles, mas eles não esmoreceram.
Abriram por fim a passagem, matando os pequenos mais rápido do que eles conseguiam se reorganizar, e escaparam aos saltos. As criaturas voadoras tentaram se reagrupar torno deles, mas Miry já terminava sua conjuração. Dos dedos delicados partiu uma fagulha que pousou no centro do círculo, línguas de fogo explodiram por todos os lados chamuscando os pequenos répteis. Alguns sobreviveram, mas escaparam amedrontados.
Respiraram aliviados Lian, Miry e Éoglin, enquanto Luke olhava para sua espada, partida no meio.
_ Anão, de onde veio essa espada mesmo?
_ Achei atrás de uma taverna.

Répteis humanóides, como não gostar deles? Repare no Urd, acima e a sua esquerda.

Urds são pequenos humanóides voadores, aparentados aos kobolds. Eles possuem focinho comprido e draconiano, dois pequenos chifres na testa e uma crista dorsal que vai do topo da cabeça ao início da cauda. Os braços são adaptados em asas, não possuindo mãos, um dos dedos forma uma pequena garra, enquanto os demais são alongados e unidos por uma membrana coriácea, que por fim se une a cauda formando as asas. Os pés, como os das aves, possuem polegares opositores e são usados para manipular ferramentas enquanto a criatura está sentada ou voando.

O corpo é recoberto por escamas de coloração incrivelmente variável, o verde e o marrom avermelhado são os tons mais comuns, mas urds amarelos, azulados ou negros já foram registrados. Dentro de uma mesma tribo, geralmente há apenas uma ou duas cores mais marcantes.

Urds geralmente vivem escarpas, montanhas, topos de árvores ou outros lugares altos, onde se sentem mais seguros. Eles formam comunidades que podem alcançar 300 indivíduos, divididas em núcleos familiares. Estas comunidades vivem basicamente da caça e coleta, eventualmente fazendo comércio com goblins, kobolds e outros humanóides. Existe um mito de que urds vivem em ninhos, mas isso é uma meia verdade, eles constroem os ninhos apenas quando de sua reprodução, e só os filhotes vivem nos ninhos.

Membros de uma comunidade urd vivem muito próximos, é como se centenas habitassem uma mesma casa. Dessa forma eles estão o tempo todo conversando ou interagindo com alguém, isso faz com que eles sejam perspicazes socialmente, mas também um tagarelas do inferno!
Uma das maiores qualidades, ou defeitos, de um Urd é sua habilidade de nunca fica quieto, conversando continuamente sobre os mais variados assuntos, ou mais de um ao mesmo tempo! Entre eles é utilizada uma forma simplificada de dracônico, mas muitos deles dominam comum (Valkar, em Arton).

Tendência
Urds são tagarelas, bagunceiros e hiperativos. Se classificando quase sempre como criaturas altamente caóticas. Caótico e neutro e caótico e mau são as tendências mais comuns entre urds. Dentro de uma mesma tribo, a maioria dos indivíduos tem a mesma tendência.


Urds aventureiros
Assim como os kobolds, urds possuem resquícios de uma ascendência dracônica, despertando muito comumente poderes de feiticeiro. Urds que entram em contato com a civilização muitas vezes tornam-se ladinos aproveitando-se de sua grande agilidade, pequeno tamanho e capacidade de vôo. Em suas sociedades, rangers e druidas são valorizados e relativamente comuns.
A motivação para as aventuras é geralmente pura curiosidade ou insatisfação com a vida simples nos ermos. Mas também há histórias de urds que tiveram suas tribos destruídas, e se aventuram em busca de um novo lar ou de vingança (ou os dois).

Urds como personagens

+4 Des, +2 Car, -2 For. Urds são ágeis e carismáticos, mas fracos.

Tamanho: pequeno.

+1 na CA: Urds tem o corpo revestido por escamas

Asas: urds não possuem mãos, apenas uma garra na ponta da asa. Eles manipulam objetos e ferramentas usando os pés, que possuem polegares opositores. Por isso, enquanto estão no chão eles não podem empunhar armas e tem sérias dificuldades para usar qualquer ferramenta. Urds conjuradores podem realizar os componentes gestuais de suas magias com seus pés ou suas asas, dessa forma eles podem realizar magias normalmente em chão ou em vôo.

Deslocamento: Urds são muito desajeitados no solo, com deslocamento base de 3m, se o urd tiver espaço para bater suas asas e se deslocar aos pulos ele tem deslocamento de 9m, e pode passar livremente por terreno acidentado. Em vôo eles possuem um deslocamento de 12m.

Armas naturais: urds podem usar suas garras ou mordida como armas naturais, causando 1d3 de dano.

Faro, visão na penumbra, visão no escuro.

+2 nos testes das seguintes perícias: Ofícios (armadilhas), Percepção e Intuição.

Urds em Arton
Em Arton, urds são vistos como primos dos kobolds, por isso a maioria dos povos civilizados não gosta muito deles. Eles habitam principalmente as montanhas sanguinárias, mas podem ser eventualmente encontrados em outras regiões elevadas ou vistos junto com grupos de aventureiros. Assim como acontece com os kobolds, urds muitas vezes são empregados por seres malignos mais poderosos, mas geralmente como espiões.

Notas de criação
Os urds não são invenção minha, foram tirados do AD&D (antigo D&D). Há um texto mínimo sobre eles no antigo livro dos monstros, e muito pouca informação adicional. Por isso quase tudo o que eu falo sobre eles no texto é invenção minha, não era bem assim no original.

Eu só descobri esses simpáticos répteis por causa da ilustração que abre o artigo, do grande Sam Wood. Este é um dos rascunhos para o que seria o Livro dos Monstros 3.0, os urds acabaram excluídos da 3ª Edição, mas ficaram na minha cabeça. Com o advento do blog, achei que seria legal trazê-los como uma opção diferente de raça de personagem.

Em breve eu posto umas fichas de urds para usar como monstros.

4 comentários:

  1. Amigad, fadas cruzaram com kobolds xD
    [e os modificadores de habilidades são iguais as fadas que sairam no .20 xD]

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia estes monstrinhos, gostei muito deles.
    Aguardo ansiosamente as fichas de monstros.

    PS: No conto introdutório, é estranho pensar que os aventureiros saíram do círculo daquele jeito e não foram acompanhados pelos monstros voadores, de forma a continuarem cercados.

    ResponderExcluir
  3. Oi Edu,

    que bom que alguém leu o mini conto! Mudei um pouco o texto pra deixar mais convincente, mas realmente eles teriam que ser muito rápidos pra escapar daquela forma.

    ResponderExcluir
  4. Tchaaa, muito foda a 'imagem-cabeçalho' nova, só falta um relâmpago descendo das núvens e/ou uns insetos camuflados no plano de fundo para ficar ainda mais parecido com a Tormenta.

    Good Job !

    ResponderExcluir